Total de visualizações de página

domingo, 25 de janeiro de 2009

O grande acontecimento 11- A glória de Aparecido

Bendita a carta que faz os homens chorarem, porque homens não choram – ainda que o façam de outras formas, sem soluços ou lágrimas. Aureliano herdou do pai ensinamentos que este adquirira de uma hora para outra, devido a um susto que levara no trânsito, frente ao ridículo de vociferar contra uma senhora inofensiva. Bendita, pois, a motocicleta, que acabou por modificar a vida de dois homens, Tréssio e seu filho – Deus proteja, também, esta família, cujos membros todos têm nomes inusitados.


Mas a carta de Tréssio não deixou de tocar a vida das pessoas. Aureliano também teve um filho, João Aparecido, e costumava dizer a ele que lhe deixaria de herança uma carta do avô. O filho pedia com tanta insistência a posse de tal preciosidade, que Aureliano acabou dando-lhe a carta antes de morrer – era um adiantamento da posse dos bens. No mesmo dia, Aparecido levou-a para a escola, porque queria mostrar às meninas a que estirpe pertencia – a dos homens preocupados com o amor, com o próximo, desligados das posses materiais. Aparecido teve seu momento de glória quando a professora de História, preocupada com a agitação no fundo da sala, supondo que o papel que circulava na mão dos alunos fosse uma imagem pornográfica, percebeu que aquelas crianças se impressionavam com um documento pessoal do passado de uma delas e que uma pequena folha de papel escrita a mão tinha o poder de encantar a sala, o que ela, professora, há muito não conseguia fazer. Ciente de que era sua hora e sua vez de fazer os alunos entenderem a história viva, a professora leu a carta de Tréssio em voz alta, para todos os alunos ouvirem, mais de vinte anos depois de ela ter sido escrita.


Aparecido voltou para casa carregado de glória – e, nas semanas seguintes, comeu duas meninas da turma –, mas esqueceu-se de trazer consigo a carta do avô, que ficou com a professora. Esta, ciente do valor documental e histórico da carta, por conter utopias de que não mais se falava no mundo, foi à Feira do Masp e vendeu-a por um preço alto o bastante para pagar-lhe as cervejas da tarde de domingo.

Nenhum comentário :