Total de visualizações de página

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O grande acontecimento 18 - Dona Saodi remoça

O barulho da composição de Vacâncio não assustou apenas os convidados do evento de lançamento do livro de Doutor Apolo e de Christian Dior Palha. Dona Saodi, uma senhora de muitos anos – ela não nos permite revelar quantos – assustou-se com aquela barulheira e resmungou ao marido que já era tempo de abandonar aquele bairro.

Higienópolis não era mais o lugar acolhedor de vinte anos antes! Ali, bem na esquina da Avenida Higienópolis com a Conselheiro Brotero, ela podia,no passado, passear sozinha, à noite, com a filha e o cachorro, ambos mortos agora, a filha de câncer, o cachorro de surdez, porque Dona Saodi, ao contrário dos ancestrais, perdia o controle com rapidez, e gritava com o cão que, da mesma maneira que o marido, aprendeu a ignorar a dona histérica.

Dona Saodi passeava diariamente com a filha e com o cachorro pelas ruas do bairro, até ser assaltada e trancar todos em casa, exceto o marido, que precisava trabalhar e tinha permissão para voltar às dezenove horas. Já sabemos a causa mortis do cão – o leitor já terá imaginado a da filha, que somatizara todo o pânico da mãe e adoecera rapidamente, deixando a vida com quinze anos de idade.

Depois de ouvir a canção de Vacâncio, Dona Saodi reclamou com o marido e tentou acariciar, no chão, o cachorro – que não estava lá; foi ao quarto da filha – que não estava lá; voltou para a cama e observou o marido, que dormia nu, de pênis mole pendendo para o lado, o pênis que ela tanto acariciara na juventude, na época do colégio, depois na faculdade, que os dois cursaram juntos, depois no Japão, em que passaram dois anos trabalhando para juntar dinheiro e comprar aquele apartamento. Dona Saodi percebeu que devotara à filha os nove meses de gestação, os quinze anos de vida e os três anos seguintes, de luto total, em que até o marido começava a perder o direito de sair de casa.

Dona Saodi remoçou com aquelas lembranças; tomou coragem, disse a si mesma que tinha apenas quarenta e cinco anos e acordou o marido masturbando-o, como não fazia desde a adolescência.

3 comentários :

Flavio disse...

kkkk
Adoro esses anagramas!

valdirene disse...

até que enfim ela acordou e o Fim foi show...

Rogério Duarte disse...

Flávio: que bom que alguém percebeu e entendeu meus anagramas!

Valdirene: só não sei se o marido dela concorda...